Quem sou eu

Santos, São Paulo, Brazil

quinta-feira, março 10, 2005

Indiferença


Que fazer se teus braços não podem sentir o calor que emana do meu corpo.
Se teus lábios não podem sentir a maciez dos meus lábios nos teus.
Se não posso deslizar minhas mãos pelo teu pescoço e trazer-te para o encontro do meu rosto.
Se não posso sentir teu hálito quente, dizendo palavras de amor em meu ouvido.
Se minha cama ficou fria porque o teu lugar vazio faz com que ela sinta tanta falta quanto eu, do peso do teu corpo sobre ela.
Não existe nada a fazer, a não ser esperar e desejar que um dia eu possa acordar e ver que toda essa indiferença não passou apenas de um sonho ruim.

4 comentários:

Daniel Aladiah disse...

Querida Angélica
Adoramos sofrer, o amor agarra mais nestes momentos de desventura. Mas a vida reserva-nos muitas surpresas, nós é que muitas vezes não reparamos nelas...
Um beijo
Daniel

AS disse...

Quanto mais longa é a espera, mais intenso é o momento do reencontro!...

Um beijo

O Micróbio disse...

A indiferença é o que de mais cruel existe...

O Micróbio disse...

Entretanto tenho a ousadia de deixar esta mensagem: Os Micróbios tb se abatem... pela idade! :-)